• Ceura Nolasco

E agora: o bad boy ou o lord inglês?

Atualizado: 14 de Ago de 2020

Quando “ eles” aparecem… e a gente tem de escolher: o coração quer um,  a razão  sabe que melhor é o outro… Será que o amor é “sem vergonha”?

…não o amor é cego mesmo! Você só vê o que  quer ver no outro!… e o coração é o vagabundo mais inteligente que temos!

Quem já não se viu ligando para o bad  boy… enquanto o  lord inglês esperava na sala? Quem já não se viu morrer de raiva de si mesma   por  não conseguir vibrar na química sexual com o bom moço?

Quem já não se perguntou… o que acontece comigo… eu quero justo o que mais vai me dar trabalho… porque nos atraímos justo pelo que mais mexe com a gente?… Aquele que não liga… não se ocupa de mim ou manda flores?

Elementar…: dinâmica da lei física da atração para resolução de nossos conflitos interativos… enquanto você tiver algo a resolver inconsciente ou conscientemente nas interações… respire suas escolhas serão relacionadas ao desafio da superação destes processos…

Quando você conseguir fechar na “química interativa” com  o bom moço você fez em você uma grande cura!… logo não brigue com você mesma ou com seu bad boy… foi você mesmo que vez esta escolha!

Um homem que larga você na frente do prédio e não espera você entrar… um homem que deixa você ir para casa em seu carro do cinema e não liga para saber se você chegou bem… um homem que sabe que você  está gripadíssima e não se oferece para ir fazer um chá ou não liga para saber se você melhorou… ou que sabe de seu pé torcido e vai dançar com os amigos…

Qual o maior desafio humano…? Não repetir seus padrões internalizados na infância das relações com pai e mãe!

Quando você se liberar disto com amorosidade, pois papai e mamãe nada tem a ver com suas escolhas! , você começou ,por mais incrível que pareça, escolhendo a eles para serem seus pais, acredite!…

Então olhe atentamente para as repetições de suas escolhas e veja o que há de bom e de ruim nisto… Identifique a fonte e solte… Flua no entendimento e na cura desta soltura… se o pai não te dava atenção ou a mãe era nada carinhosa… está na hora de você se permitir atrair-se por alguém romântico e atencioso… se pelo contrario fostes extremamente mimada … respire e entenda que o outro pode amar você sem viver a sua vida, ele pode ter  vida própria e assim mesmo vocês serem felizes!

E então:

Você fica com o bad boy imaginando o tempo todo que ele um dia irá se ocupar de você… que ele irá olhar e dizer: você é a mulher da minha vida!…  Esqueça este desejo, pois quem diz declaração de amor é o lord inglês… o bad boy te chama de cachorra na cama e te trata como uma cachorra na lama !

Bad boy não faz carinho, não te liga para saber se precisas de alguma coisa, nem lembra do presente no aniversário!… e quando você liga para ele e interfere na conversa de fim de tarde no buteco com os amigos ele fica grosso e pede para que você não faca mais este tipo de ligação!

Existem vários níveis de bad boys! Alguns disfarçam bem  como lords ingleses ,mas no primeiro stress relacional eles mostram a falta de sensibilidade!

É muito mais abundante a possibilidade de bad’s do que de lord’s, uma vez que a testosterona além de práticos e ágeis os torna menos sensíveis.

Uma vez que os lords ingleses são raros e em numero bem menor , escolher um bad boy muitas vezes parece a solução, mas na verdade é  uma opção.

O condicionamento inconsciente e consciente feminino, pela própria convivência com os pais e com toda a mídia social, favorecem   a química com o Fred Flinstones e não com o Barney Huble!

Mulheres!… bad boys são ótimos para aventuras sexuais e ficadas independentes sem amor, são ótimos para viajar e correr o mundo atrás de aventuras… nunca para casar e ser o pai dos  filhos! se assim o fizeres, como a grande maioria faz, não se queixe! Ele não vai dizer eu te amo e muito menos vai cuidar das crianças. Lembra sempre de ser  a mulher melancia ou a gretchen  disfarçada de boa moça, pois isto o manterá sempre por perto… a testosterona deles exige muito mais de nós em termos físicos e energéticos! Reorganiza a agenda, e lembra que eles adoram ser chamados de Tédi! Faça o jogo certo mantendo-se no comando do disfarce e você e seu bad encontrarão a possibilidade de serem felizes por um longo tempo…

A grande vantagem que nós levamos neste processo todo é que mesmo um bad boy não sabe viver sozinho!

E eu pergunto? O que realmente vale senão o gosto de viver o que desejamos e vibramos em nossas células? não existe certo, não existe errado, no amor! Existe o teu tempo pessoal e evolutivo de viver o amor!… seja ele com um lord inglês ou com um bad boy. O que importa é entregar-se com centramento ao maior aprendizado da vida – o amor- seja ele como for!

Felizes daqueles que sabem e conseguem amar… como dizia o poeta: toda maneira de amor vale a pena…toda maneira de amor valerá…

E eu digo: mais vale a sorte de um amor triste do que a tristeza de não poder amar.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo