• Ceura Nolasco

Por que os homens “correm” enquanto as mulheres gritam?

Atualizado: 14 de Ago de 2020

Homens e mulheres são bioquimicamente diferentes. Apesar de muitas mulheres considerarem esta verdade uma “bobagem” ela é real e faz no dia a dia toda a diferença. Nossas reações são dramaticamente diferentes. As mulheres quando se fragilizam por algum motivo da vida, pedem colo, precisam de carinho e conforto. Os homens, por mais que desejem o colo/conforto, recolhem-se em sua individualidade, buscam a caverna interna de refugio e rosnam cada vez que alguém tenta se aproximar!

Nós mulheres falamos demais … eles falam de menos!

Nós mulheres gritamos histericamente ao encontro assustador com aquela barata… eles pegam o chinelo e olham para nós atônitos em um espanto absoluto  tentando entender o motivo de tamanho descontrole, uma vez que o inimigo estava já dominado embaixo do velho havaianas!

Eles saem do jogo e sentam no bar da esquina e quase semi mudos bebem todas, sem comentários sobre aquele gol contra que os fez perder o campeonato.

Nós, falamos todas ao mesmo tempo e quase não bebemos!Xingamos a quinta geração do arbitro , execramos o goleiro frangueiro e reclamamos da batata frita.

Na verdade as diferenças fazem toda a diferença!

O difícil é aceitarmos isto como uma verdade.

É o exagero delas em estereótipos forçados da natureza feminina (mulheres de Ted) e da natureza masculina (mamutes saradões) que criam um espaço vazio entre as polaridades complementares.

Na natureza existencial quando o equilíbrio interno de ambos se alinha…tudo na volta cria também um alinhamento . Perceber que o outro faz parte da existência do amor, e vê-lo como ele realmente é livre de nossas expectativas, traz uma sensação de alivio diante da necessidade de transformá-lo/ou transformá-la!

Assim como deixar-se perceber pelo outro, em sua verdade e seus desejos, sem o medo de deixar de ser amado /amada, também faz parte do alinhamento.

Não adianta reclamar do outro se o outro não tem a menor idéia de seus anseios ou desejos… ou / e mais se ele não tem recursos reais de poder para satisfazê-los!

O dia em que a raça humana entender amorosamente que estas duas polaridades são complementares deixaram, de ter expectativas uns em relação aos  outros e nós teremos uma nova possibilidade de amor na terra…

Os homens deixaram de sonhar com aquela mulher que escarre, coce a virilha e grite gooool, a as mulheres com aquele homem que faça as unhas use creme e se perfume para deitar!

Quando entendermos as fragilidades de ambos, e nos abrirmos amorosamente para aceitar e acolher as diferenças… aí sim seremos felizes… até lá continuaremos desejando sempre o que ainda não temos na expectativa de encontrarmos o que sempre tivemos.

É como desejar que ele acorde a noite para ajudar a amamentar.  Eles não só não ouvem o bebe ressoando ou chorando para a satisfação desejo da mamada, como não têm tetas para fazê-lo e, muito menos, o mesmo nível de hormônio ocitocina que você tem na fase da amamentação!

Logo para eles é, muitas vezes, surrealista o discurso da fêmea exausta, pedindo ajuda… e cada vez mais se negocia nas interações a aceitação das diferenças e o apoio logístico racional.

Os hormônios masculinos, são diferentes dos femininos, além de torná-los muscularmente mais ágeis e fortes, os confere um estado de ação e reação imediatos.

Os hormônios femininos, oscilantes a cada ciclo, nos conferem outro tipo de força, nossos músculos não reagem… agem! a sensibilidade feminina, nos faz criar um movimento deferente do instinto alto motor reflexo do macho. Ambas formas de ação são complementares em si,mas pouco compreendias na natureza feminina, onde o desejo maior é de um companheiro idealizado perfeito ,que na verdade não existe.

A constante evolução planetária criou de forma inadequada uma grande ilusão em torno de uma nova realidade para o encontro do masculino e feminino onde existiria a possibilidade de vermos ambos agindo e reagindo de forma análoga. O movimento feminista de forma radical negligenciou os movimentos hormonais de ambos os sexos e… acreditem pedir ajuda ao sexo forte não é fragilidade… é inteligência!

Nós humanos não somos perfeitos e esta existência é uma apuração evolutiva, logo deveríamos ser mais tolerantes e abertos para a possibilidade do “sentir” lendo nas inadequações do outro as minhas próprias e me recolhendo para transformação em mim do que desejo que o outro faça por si.

Então, fica aqui a sugestão de olharmos para as diferenças como um artista plástico que recebe a tarefa de unir duas obras famosas em uma única tela! É certo que ele terá de entrar no campo pessoal de cada artista e encontrar o que existe de comum em ambos para então fazer a integração!

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo